16.3.10

Este é um saco que fiz em 97 ou 98 (lembro-me que na Expo já o tinha).

A ganga é um dos tecidos com que mais gosto de trabalhar, mas o que me dá mais gozo é ver o percurso que cada pedacinho de tecido faz antes de chegar às minhas carteiras.

Por exemplo, as estrelas mais claras eram de umas calças do meu irmão enquanto a base, ou o saco propriamente dito, eram de umas calças que passaram a ser saia, e os raios de sol pretos eram de umas calças que me deixaram de servir.

Um pormenor deste saco é ter sido todo cosido mão: na altura dizia - ignorância a minha! - que era muito mais rápido do que coser à máquina!

Apesar de eu e a química nunca nos termos dado bem (o choque da existência de átomos e moléculas foi muito grande e ainda me estou a refazer dele!), há uma lei pela qual eu me rejo e que diz:

"Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma" (Lei de Lavoisier)


 

     

   

 

Grupos do Google
SEJA O PRIMEIRO A SABER
E-mail:
Visitar este grupo
comentários recentes
Olá Jana. A argola metálica do chaveiro entra na ...
Só não entendi como é que funciona o porta-chaves....
Obrigada Vanessa!Beijinhos e até 3ª! :D
Espetacular!Como sempre!
Obrigada pelo incentivo Rosa!Para a semana (sem fa...
Não tens de agradecer! Continua com as tuas ideias...
Sofia,De facto, quando idealizamos uma peça e depo...
Olá, estava a dar uma vista de olhos com mais calm...
Tu e o rosa... O Helder sabe disso...? hehehe!A pe...
Hello!Gosto.Sabes que eu e o rosa...A peruca vem i...
subscrever feeds